Subscribe via RSS

Se Beber, Não Case! Parte III

30 maio 2013

written by Memória Cinematográfica

Tradução aleatória de nome de filme sempre dá problema. Se não fica ruim logo de cara, uma hora a tradução ruim ou a escolha por não traduzir literalmente vão cobrar uma conta alta. Aconteceu isso quando Hollywood lançou “Ocean’s Eleven”, longa que no Brasil ficou conhecido como “Onze Homens e um Segredo”. Até aí tudo bem. O problema é que a franquia ainda lançou outras duas sequências, como “Treze Homens e um Novo Segredo“. Haja imaginação pra driblar o nome!

Desta vez o problema está na franquia “Hangover”, que no Brasil ficou “Se Beber, Não Case!“. Nenhum problema no primeiro filme, fazia até sentido, embora não ofendesse se a fita fosse batizada como “Ressaca”. A questão é que o filme fez tanto sucesso que os produtores aumentaram e esta semana chega aos cinemas a terceira parte. Não fosse pelo fato de não haver casamento, tampouco ressaca, estaria tudo bem.

Em “Se Beber, Não Case! Parte III”, os amigos Phil (Bradley Cooper), Doug (Justin Bartha) e Stu (Ed Helms) resolvem ajudar Alan (Zach Galifianakis), que continua morando com os pais, e precisa fazer tratamento psiquiátrico. Quando eles estão a caminho da tal clínica, que fica em outra cidade, são abordados por um grupo que está em busca do chinês Mr. Chow (Ken Jeong).

Como eles são supostamente amigos, terão de encontrá-lo em algum lugar do planeta!

Novamente dirigido e escrito por Todd Phillips, que contou com a contribuição de Craig Mazin, o longa-metragem traz momentos engraçados, principalmente quando envolvem Galifianakis, mas não oferece novidade ao espectador.

Há correria em torno de barras de ouro, cenas surreais (sendo que eles não estão sob efeito de álcool ou drogas nesta sequência) e a certeza de recuperar um dos amigos que ficou como garantia.

Os personagens ainda vão parar em Tijuana, no México, até voltarem a Las Vegas, causando um “remember” da primeira parte da franquia.

“Se Beber, Não Case! Parte III” é contado de modo linear, diferentemente dos dois primeiros, o que acaba não causando surpresa ao espectador. O longa pode ser até um programa divertido, mas não espere que seja algo inédito, como foi o caso da primeira parte.


Leave a comment

© 2024 Memória Cinematográfica