Memória Cinematográfica

Menu

O Amor Pode Dar Certo

tatianna 11 maio 2007

Em “Doce Novembro”, longa-metragem dirigido por Pat O’Connor e estrelado por Charlize Theron e Keanu Reeves, em 2001, os dois se conhecem e se apaixonam, mas não mantêm compromisso porque ela tem uma doença grave e quer apenas curtir um mês junto com o rapaz. Susan Sarandon, Julia Roberts e Ed Harris vivem um drama semelhante em “Lado a Lado”, filme de Chris Columbus, lançado em 1998. Neste, porém, Susan é a ex-mulher de Harris que, a uma certa altura da fita, faz com que os filhos do casal se aproximem da madrasta, já que ela tem câncer e está com os dias contados.

Nesta sexta-feira, 11 de maio, estréia nos cinemas “O Amor Pode Dar Certo” (“Griffin & Phoenix”). Não pense que se trata de uma história de amor piegas, como tantas outras a que assistimos no cinema. Bem, piegas pode até ser, mas o importante é levar o lenço de papel para os momentos tristes.

Na trama, o personagem vivido por Dermot Mulroney (de “O Casamento do Meu Melhor Amigo”), Griffin, é portador de uma doença em estado terminal e, segundo a médica que aparece nos primeiros cinco minutos da fita, ele não tem mais do que um ano de vida. Então, decide que precisa dar um novo rumo à sua vida: ele vai visitar os filhos na casa da ex-mulher, larga o emprego de corretor de seguros e conhece uma bela moça, Sarah Phoenix (Amanda Peet), nos bancos da Universidade de Nova York, onde foi assistir a uma aula sobre a morte.

Daí pra frente, começam os encontros e as conquistas, mesmo que ela se esquive no início. Os dois vão jantar, conversam sobre amenidades (nenhum dos dois fala sobre suas vidas em particular), participam de aventuras. Ela também tem um segredo, mas vou deixar para a surpresa no cinema.

A direção fica a cargo do estreante Ed Stone, que também é o produtor da fita. Ele mostra a paixão que Griffin tem pela vida e tudo o que ele pode fazer no prazo de um ano, já que este é o tempo estipulado pela médica (!). Este talvez seja um dos momentos críticos do longa, uma vez que, por mais realista que os médicos sejam, os especialistas geralmente possuem um pouco mais de tato ao dar uma notícia como a que ela deu ao seu paciente, diante da gravidade da doença.

Mais do que romance, “O Amor Pode Dar Certo” é um drama, que mescla momentos de comédia, e com certeza vai mexer com o espectador, principalmente com aqueles que viveram histórias semelhantes à do personagem, que procura fazer o máximo de coisas possível antes que a morte bata à sua porta.

A química dos dois personagens funciona bem. Sempre com um sorriso estampado no rosto e com o brilho nos olhos, Amanda Peet (de “Melinda e Melinda”) conquista não apenas o seu colega de cena, como também a platéia. Mas o drama vai tomando conta da atenção do espectador ao desenrolar da história, que vai apresentando cada vez mais argumentos para o envolvimento com os personagens. Eles estão sofrendo, é claro, mas ao mesmo tempo é um sofrimento consciente porque sabem que um dia haverá um fim.

Por ter um roteiro lento, no qual as coisas vão acontecendo aos poucos, o espectador tem a oportunidade (e tempo suficiente) de pensar na vida dos personagens e refletir sobre a sua, principalmente no quesito solidariedade, que os dois têm de sobra. Assim como os outros dois longas citados no início, “O Amor Pode Dar Certo” é daqueles que basta ver apenas uma vez, ou sobrarão lágrimas.

Mais Lidas

Veja também