Memória Cinematográfica

Menu

Click

Comédia tatianna 11 agosto 2006

Adam Sandler estrelou o filme “O Paizão” (1999), no qual virou pai de uma hora para outra, uma vez que a namorada engravidou e deixou o filho para ele cuidar. Com jeito moleque, ele consegue, até o final do longa-metragem, virar exemplo de paternidade para aqueles que não têm paciência com os filhos.

Desta vez ele volta ao cinema em “Click”, que estréia na sexta-feira, dia 11 de agosto, às vésperas da comemoração do Dia dos Pais. Na trama ele é Michael Newman, um cara casado com a belíssima Donna (Kate Beckinsale) e com dois filhos. Porém, como é um arquiteto ocupado demais com o trabalho, dedica pouco tempo à família.

O problema que ele enfrenta é o mesmo que os profissionais do mundo todo também encaram diariamente, ou seja, a troca da vida privada pela empresarial, porque, acredita-se, só assim conseguirá ter mais dinheiro, mais destaque na profissão e, sobretudo, reconhecimento. Pobre vida capitalista.

Como ele está acostumado a fazer cálculos e projetos, não tem a mínima idéia de como funciona o controle remoto da televisão, tampouco os outros apetrechos da casa movimentados a partir de um simples toque. Por indicação do filho Ben (Joseph Castanon), Michael sai de casa atrás de um controle remoto universal para acabar com os seus problemas.

O que ele não se dá conta, no entanto, é que na loja “Cama, Banho & Além” ele encontra o aparelho que não apenas comanda os eletrodomésticos, mas também a sua própria vida. Trata-se de um controle remoto do universo. Quem lhe oferece a novidade é Morty (Christopher Walken), um dos destaques do longa. Seu jeito cínico e sério é bastante interessante de se assistir.

Daí pra frente, já dá para se imaginar o que vai acontecer no decorrer da fita. O fato é que o longa dirigido por Frank Coraci (“O Rei da Água”) vai bem na primeira meia hora. Depois, é pura enrolação.

Enquanto o filme apresenta os personagens, mostra o ambiente de trabalho e familiar de Michael, o espectador fica atento sobre o que vai acontecer. Porém, quando ele percebe que o controle é capaz de modificar o dia-a-dia das pessoas, como assistir às cenas em câmera lenta, diminuir ou aumentar o volume da voz, pausar ou até mesmo pular algumas etapas, bem, então começa a ficar óbvio. E chato.

Há momentos em que a piada prevalece, como quando o amigo do filho, viciado em tecnologia, que só fala em dinheiro, começa a irritá-lo e a contar vantagem. A partir daí Michael entra em uma briga em prol de Ben, que é de tirar a platéia do sério.

É preciso dizer que Adam Sandler tem um “time” de comédia muito bom, até porque essa é a sua especialidade. Em um momento da trama, no entanto, o que era engraçado, vira drama. E aí ele perde o ritmo e fica devendo uma interpretação mais aprimorada.

Da metade em diante, o espectador volta a se entreter com o longa, uma vez que ele muda e inverte a situação, envolvendo cenas do futuro, com efeitos especiais, carros futurísticos e até mudança no corpo do protagonista. Mas isso não redime a produção pela bobagem do qual se trata o enredo. A não ser que a intenção seja apenas se divertir, sem qualquer compromisso.

Veja também