Memória Cinematográfica

Menu

A Casa do Lago

tatianna 18 agosto 2006

Um dos primeiros filmes no qual a atriz Sandra Bullock teve destaque no cinema foi quando ela dirigiu um ônibus que estava prestes a explodir, em “Velocidade Máxima” (“Speed”). Na ocasião, ela contracenou com Keanu Reeves, de quem tornou-se amiga.

O longa-metragem foi lançado em 1994. Desde então, mesmo com esse laço de amizade, eles não trabalharam mais juntos no cinema. Ela foi fazer “Miss Simpatia” e o independente e oscarizado “Crash – No Limite” e ele, a trilogia “Matrix” e “Constantine”.

Nesta sexta-feira, 18 de agosto, porém, eles voltam a se encontrar em “A Casa do Lago” (“The Lake House”), um romance bastante interessante no qual ela é a médica Kate Forster e ele faz Alex Wyler, um arquiteto frustrado.

Mesmo os dois morando em Chicago, não se encontram nunca porque vivem em anos diferentes. Enquanto ela está em 2006, ele vive os mesmos dias, mas em 2004. A descoberta é feita quando ela deixa a casa onde morava, construída em cima do lago, e ele vai morar lá. A ligação se faz por intermédio de uma carta que ela coloca na caixa de correio pedindo para que o próximo inquilino guarde as correspondências que chegarem para ela e encaminhe para o seu novo lar.

A casa é toda feita de vidro, com janelões com vista para o calmo lago, e foi construída pelo pai de Alex, o renomado arquiteto Simon Wyler (Christopher Plummer), que deixou a família em função da vida profissional. Outra ligação muito nítida entre os dois é a paixão pela casa e também pelo cachorro Jack.

A partir daí os dois começam a trocar cartas (nada dos atuais e-mails) e a se apaixonar um pelo outro, mesmo sabendo que esta história de viver em anos diferentes pode ocasionar um encontro impossível.

Um dos motivos que a fazem investir nessas cartas é o fato de se sentir sozinha, morando em uma cidade grande e apenas com a companhia de Jack (a cena do jogo de xadrez é ótima).

Dirigido pelo argentino Alejandro Agresti (“Valentin”), as seqüências primorosas do lago, bem como as fusões entre o tempo prendem o espectador, que precisa ficar atento para entender as diferentes épocas. Mesmo os dois trabalhando no mesmo filme, Sandra Bullock e Keanu Reeves contracenam em raros momentos, mas deixam claro que a química funciona.

No entanto, ambos aparecem em companhia de outros personagens, como a médica Anna Klyczynski (a iraniana Shohreh Aghdashloo), que trabalha com Kate no hospital da cidade.

O roteiro de David Auburn deixa algumas dúvidas no decorrer da fita, principalmente perto do final. Auburn, aliás, escreveu “A Prova” (“Proof”), atualmente em cartaz no Brasil. Os dois longas possuem cenas em flashback e fusões que prendem a atenção.

Baseado no filme sul-coreano “Il Maré”, lançado em 2000, “A Casa do Lago” é uma verdadeira história de amor que vai fazer os apaixonados suspirarem e lembrarem que viver o presente é ainda a melhor opção. Mesmo assim, ainda pairam dúvidas no ar.

Mais Lidas

Veja também