Memória Cinematográfica

Menu

A Lenda do Zorro

tatianna 28 outubro 2005

Os fãs de Zorro, aqueles que costumavam assistir ao seriado na TV que começou no final da década de 50, podem comemorar. Criado em 1919 pelo autor Johnston McCulley, Zorro é considerado o primeiro herói mascarado da ficção norte-americana moderna.

Embora seu primeiro longa-metragem, “A Máscara do Zorro” (“The Mask of Zorro”), tenha feito bastante sucesso (só nas bilheterias internacionais arrecadou mais de US$ 250 milhões), a história é fraca e deixa a desejar no quesito ação, uma vez que a trama se preocupa muito mais em contar a transferência do legado do que as façanhas do herói.

Em “A Lenda do Zorro” (“The Legend of Zorro”), filme que estréia nesta sexta, 28, o personagem principal pode ser visto na mais completa correria, lutando pelos oprimidos e na melhor química com Elena, vivida novamente pela belíssima Catherine Zeta-Jones.

Dez anos depois de quando termina a história no primeiro filme, o filho do casal, Joaquin (Adrian Alonso), já apronta peripécias na escola e dá um show de interpretação. Ele, aliás, admira Zorro e não imagina que o pai e o herói são a mesma pessoa.

Dirigido por Martin Campbell (“007 Contra GoldenEye”), o longa é muito mais ação do que o primeiro (afinal é exatamente isso o que o espectador quer ver). Quando começa, aliás, o movimento da câmara acompanha tudo, de maneira que quem está assistindo à trama passa a fazer parte dela.

Na primeira parte, por se tratar do começo de tudo, Zorro é um cara atrapalhado e inicia o treinamento para poder vestir a máscara do herói. Na continuação, que se passa em 1850, a Califórnia quer se tornar o 31º Estado dos Estados Unidos, mas certos indivíduos, membros de uma organização medieval, estão determinados a impedir que isso aconteça.

Com lutas que prezam pela honra e pela família, e é ele que diz: “Minha família é minha vida”, Antonio Banderas faz bonito quando maneja a espada, luta dentro do trem ou contracena com o corcel negro Tornado. Um dos bons momentos da trama é quando Joaquin usa o seu estilingue na escola e também quando Alejandro de la Vega está bêbado.

Produzido por Steven Spielberg, Gary Barber e Roger Birnbaum, embora a história se passe na Califórnia do século 19, o filme foi inteiramente rodado no México. Uma sessão da tarde que não pode ser passada em branco, principalmente se for para lembrar o gosto dos velhos tempos.

Mais Lidas

Veja também