Memória Cinematográfica

Menu

Trilha sonora e eu

Coisas da vida 3 abril 2009

No dia 20 de março, meu amigo Cri-crítico, do Guia do Estadão, escreveu sobre sua preferência musical, que tem a ver com filmes a que tem assistido ultimamente e que gosta muito. Em sua seleção estavam:

“Barcelona”, de Giulia y los Tellarini, do filme “Vicky Cristina Barcelona”;

“Down in Mexico”, The Coasters, de “À Prova de Morte”;

“New Slang”, The Shins, de “Hora de Voltar”;

“Je T’Aime Tant”, Julie Delpy, de “Antes do Pôr-do-Sol”;

“There Is an End”, Holly Golightly & The Greenhornes, de “Flores Partidas”;

“Superstar”, Sonic Youth, de “Juno”;

“This Time Tomorrow”, The Kinks, de “Viagem a Darjeeling”.

Depois que li sua coluna me dei conta que eu também carrego no iPod trilhas sonoras dos filmes que gosto ou que acabei de ver ou que simplesmente me apaixono pela música. Penando nisso, escolhi aqui as melhores canções de trilhas sonoras. Há muitos outros filmes no aparelho e tenho espaço aqui, mas escolhi 13, sendo duas do mesmo filme, uma vez que trata-se de um musical. Ah, sim, e como “Barcelona”, de Giulia y los Tellarini, do filme “Vicky Cristina Barcelona”, também estaria na minha lista, eu tirei. Vamos a elas:

“Anyone Else but You”, The Moldy Peaches, de “Juno”;

“As-tu Déjà Aime”, Grégoire Leprince-Ringuet & Louis Garrel, e “Au Parc”, Chiara Mastrioanni, de “Canções de Amor”;

“Baby did a Bad Bad Thing”, Chris Isaak, de “De Olhos Bem Fechados”;

“Dumbledore’s Army”, Nicholas Hooper, de “Harry Potter e a Ordem da Fênix”;

“First Youth”, Ennio Morricone, de “Cinema Paradiso”;

“Hold You in my Arms”, Ray Lamontagne, de “The Last Kiss”;

“La Vie em Rose”, Louis Armstrong, de “Wall-E”;

“My Little Tenderness”, Otis Redding, de “My Blueberry Nights”;

“Pretty Woman”, Stephen Sondheim, interpretado por Johnny Depp, de “Sweeney Todd – O Barbeiro Demoníaco da Rua Fleet”;

“Rock the Boat”, Huis Corporation, de “Milk”;

“Tous les Garçons et les Filles”, Françoise Hardy e Roger Samyn, de “Os Sonhadores”;

“Trying to Pull Myself Away”, Glen Hansard, de “Apenas uma Vez”.

Mais Lidas

Veja também