Memória Cinematográfica

Menu

Entre Lençóis

Entrevista 28 novembro 2008

Recém-conhecidos em uma boate, o casal vivido por Reynaldo Gianecchini e Paola Oliveira no longa-metragem “Entre Lençóis”, que estréia dia 5, vai para um motel, e é lá onde se passam os 90 minutos do filme.

 

O diretor colombiano Gustavo Nieto Roa, em seu primeiro trabalho no Brasil, conta, em entrevista coletiva realizada no dia 25 de novembro no Shopping Cidade Jardim, que sua idéia foi fazer um filme que fosse um “poema visual sobre o amor à primeira vista”. “Os dois atores são pessoas belas, agradáveis aos olhos. Acredito que a nudez deva ser vista com beleza. Sempre incluo em meus filmes cenas de nu e sexo, porque sexo é vida. Prefiro falar de sexo que de violência”, arremata ele.

Já que a narrativa se passa em um quarto, é natural que ambos protagonizem cenas de nudez e sexo. Para Paola, fazer essas cenas não foi fácil, já que foi seu primeiro filme. “Foi um aprendizado fazer a cena e depois ver o resultado. É um filme que precisa do nu para contar a história. Não dá para fugir e ter pudores.” 

Giane diz que não foi confortável interpretar essas cenas. “É uma experiência bacana. Foi discutido para criarmos algo de bom gosto”, completa ele, afirmando que pediu para cortar uma cena na qual aparecia em nu frontal. “Era na cena do strip-tease, e pedi porque era desnecessária.”

A cena a que ele se refere é uma das mais engraçadas da trama. É quando a personagem de Paola tira a roupa para ele e pede para que faça um show para ela. A cena dela, aliás, estava planejada, mas a do Reynaldo não. “O Renê (Belmonte, o roteirista) nunca havia pensado em uma cena dessas para mim, mas achei que tinha que ter cuidado para não ficar ridículo. Pedi um tempo para pensar e como eu faria para ficar engraçado.”

Sobre as cenas de sexo, Reynaldo explica que é diferente daquilo que se vê na tela. “A gente só ri. Filma metade e pára para tomar um café, arrumar a luz, aí vem uma mulher passar maquiagem porque há uma mancha. Não tem clima de tesão no ar. Na montagem é que a magia do cinema acontece.”

Mesmo ambiente

A iluminação foi uma das maiores dificuldades para a filmagem em um mesmo espaço, em uma locação, e não em um set, onde é possível mover tetos e paredes. Segundo Gustavo, o efeito de claro e escuro foi conseguido graças ao diretor de fotografia, Márcio André Zavareze. Ele explica que durante três semanas a filmagem durou 10 horas por dia, sendo cinco apenas para a iluminação. “Filmamos 12 dias no total, porque estávamos com outros trabalhos e só podíamos filmar três vezes por semana”, completa Giane.

O roteirista explica que conheceu o diretor há quatro anos enquanto faziam “Sexo com Amor”. “Ele tinha a idéia de fazer um filme, mas o desafio foi pensar em como não deixá-lo cansativo”, sentencia Renê. O desafio, aliás, não foi fácil de resolver, porque a certa altura o espectador pode achar a narrativa entediante. Sobre os personagens, Renê diz que, de certo modo, o Roberto é ele mesmo em várias fases da vida. “E a Paula é a soma de todas as mulheres que eu conheci, com alguma coisa de ficcional.”

Ele privilegia diálogos ora cômicos, ora dramáticos, e contemporâneos. Entre as pérolas, o casal discute maternidade, por que as mulheres não vão ao banheiro sozinhas, por que os homens fantasiam transar com duas ao mesmo tempo. E a moça afirma que é moderna e que pode carregar apetrechos para apimentar o sexo.

Cinema e teatro

Gustavo explica que a intenção foi fazer um filme. “Estou contente de ter recebido a proposta de fazer a história no teatro. Mas o que gosto do cinema é que pudemos fazer primeiros planos, e o efeito no teatro será diferente”, explica.

Gianecchini diz que acredita e gosta da entrega dos personagens. “Se a realidade lá fora vai permitir que essa história se desenrole é outra coisa. Mas viver uma noite com intimidade é legal, todo mundo que passa por essa vida precisa viver intensamente. Acho que aquele momento mudou a vida dos dois. Acho que esse é um pensamento muito masculino, não?”, questiona.

 

Veja também