Subscribe via RSS

O Diabo Veste Prada

22 set 2006

written by Tatiana Babadobulos

O mundo da moda é realmente interessante. Há quem imagine que só de glamour vivem as modelos e também os críticos que freqüentam os desfiles das marcas mais importantes e que mais influências têm na disseminação de tendências. É claro que isso existe. Mas nem sempre é como imaginamos. Existe a “meia dúzia” que se dá bem, mas há muitas que se esforçam e agüentam desaforos para conseguir um emprego.

Se você nunca ouviu falar ou não deu importância para estilistas como Chanel, Prada, Versace, Dolce & Gabana, prepare-se. Há um desfile de moda de primeira linha te esperando no cinema.

Inspirado no livro homônimo de Lauren Weisberger, o longa-metragem “O Diabo Veste Prada” (“The Devil Wears Prada”) estréia nesta sexta, dia 22 de setembro. O livro, aliás, permaneceu por seis meses na lista do jornal New York Times e foi traduzido para 27 idiomas.

Dirigida por David Frankel (do seriado “Sex and the City”), a película conta a história da editora da revista “Runway”, Miranda Priestly (Meryl Streep), uma megera que inferniza a vida de suas assistentes e acha que todas são obrigadas a fazer os seus caprichos e aturar as suas mudanças de humor.

Em busca de uma oportunidade em Nova York, a jornalista interiorana recém-formada Andy Sachs (Anne Hathaway) não tem idéia das tendências de moda e vai fazer uma entrevista para ser mais uma assistente de Miranda.

Com perseverança, ela consegue o cargo e promete ser a melhor profissional entre as que Miranda já teve. Sem ter noção do que a espera, Andy terá que aturar a equipe de “saltinhos” (as meninas que andam para lá e para cá calçando saltos altos) e dar o sangue, e quem sabe renunciar ao namorado e aos amigos, para dar conta das tarefas que lhe são propostas.

É previsível, porém, que no decorrer da trama Andy ceda aos saltos, aos casacos e às grifes da moda, sempre com a ajuda de Nigel (Stanley Tucci), que também sonha em ditar a moda de Manhattan.

O toque brasileiro fica a cargo da top Gisele Bündchen, que aparece em duas seqüências, ora falando bem, ora falando mal da moça que está em ascensão na empresa.

A atriz Anne Hathaway consegue mostrar bem como pessoas em seu lugar se sentiriam naquela situação, e faz o espectador sentir compaixão. Já Meryl Streep é sempre ótima, faz o gênero sádico, com pirraça às suas assistentes, mas é competente no trabalho, no que se propõe a fazer.

O ponto alto sem dúvida nenhuma fica para o figurino, produzido por Patricia Field. No entanto, a mensagem final deixa a reflexão sobre colocar de lado a vida pessoal em troca do lado profissional. Há realmente muito o que se pensar.


Leave a comment

© 2024 Memória Cinematográfica